Informativo › Notícias  Adicionar página ao
Departamentos
0 íten(s) | R$ 0,00
 
Governo americano reconhece exclusividade do Brasil na fabricação da cachaça

Depois de uma negociação que se arrasta há 40 anos, os Estados Unidos começaram, o trâmite para reconhecer a cachaça como bebida genuinamente brasileira, deixando eufóricos os produtores mineiros, que respondem por cerca de 60% da fabricação nacional. A primeira vantagem é a redução da carga tributária, que pode chegar, segundo estimativa do presidente do Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac), César Rosa, a aproximadamente 40%. Outro benefício: apenas a aguardente nacional poderá ser vendida na terra do Tio Sam sob o rótulo “cachaça”. “Ficaremos numa posição privilegiada no maior mercado consumidor do mundo”, avaliou o executivo, também diretor da marca Velho Barreiro.

O processo de reconhecimento ocorreu  em Washington, com a troca de cartas assinadas pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, e o representante de Comércio dos Estados Unidos, Ron Kirk. No acordo, ficou acertada a contrapartida do governo Dilma Rousseff: reconhecer os uísques tipo Bourbon e Tennessee como destilados legitimamente americanos. As novas regras favoráveis à aguardente devem entrar em vigor, conforme acredita o presidente do Ibrac, que enviou um representante a Washington, em até quatro meses.

Em 2011, as exportações de cachaça brasileira somaram US$ 17,3 milhões para todo o mundo. Desse total, os americanos compraram US$ 1,8 milhão. O Ibrac ainda não projetou qual será o aumento de volume da bebida enviado aos Estados Unidos. A Associação Mineira de Produtores de Cachaça de Qualidade (Ampaq), primeira do gênero no país, também não. Mas a euforia entre os diretores das duas entidades é grande, pois a branquinha nacional não virá mais com o rótulo Brazilian Rum (rum brasileiro). “Isso vai acabar, beneficiando os produtores mineiros”, comemora o presidente da Ampaq, Alexandre Wagner da Silva, dono da marca Água na Bica.

Ele observa que na Alemanha a cachaça é um produto com identidade própria, enquanto nos Estados Unidos ainda é confundida com o rum. Dados do Ministério do Desenvolvimento mostram que a Alemanha é o principal destino das exportações brasileiras de cachaça que, no ano passado, a Alemanha respondeu por 19% do valor exportado e por 29% do volume embarcado no ano passado. Os Estados Unidos ocupam a segunda posição, com 11% do valor e 6% do volume. Em terceiro ficou Portugal, com 10% do valor e 8% do volume.

Potencial
O dirigente da associação mineira lembra que um ponto importante a ser destacado é que as exportações de cachaça correspondem a menos de 1% da produção nacional, estimada em 1,3 bilhão de litros por ano, somando a produção industrial com a artesanal. Segundo ele, somente a produção dos alambiques soma 400 milhões de litros, distribuídos por 30 mil fabricantes.

Alexandre Silva diz que Minas responde por 60% da produção nacional de cachaça, num total de 240 milhões de litros, e emprega cerca de 45 mil pessoas. A decisão do governo americano, aliada a outros fatores – como altos investimentos nesse mercado –, deve aumentar a produção mineira artesanal em 10% na comparação entre este ano e 2011. (Com agências

Formas de pagamento

Formas de entrega

Atendimento:

(38) 99835-2237

Horário de atendimento:
Segunda à Sexta (exceto feriados) das 8:00 às 17:30

Curta nossa página

Feira da Cachaça - Aqui tem As melhores cachaças artesanais do Brasil e de Minas Gerais - Compre On Line e receba em sua casa . Garrafas e kits especiais - Tele Vendas 38 99835-2237.


Ofertas válidas até o término de nossos estoques para internet. Vendas sujeitas à análise e confirmação de dados.

Em caso de divergência de preços no site, o valor válido é o do Carrinho de Compras.

FEIRA DA CACHAÇA

RUA PADRE SALUSTIANO , 27 – CENTRO – SALINAS MG CNPJ: 05 038 754 0001 54

® 2016 Powered by - WT11 - Todos os direitos reservados